20 de fev de 2012

A garota que às vezes pensava demais.





Ela resolveu sentar naquele banco de praça á espera de alguém que ela sabia que não iria aparecer, talvez o pensamento de que em uma probabilidade muito pequena em um numero relativamente muito grande em um determinado lugar pouquíssimo provável ele aparecesse só para dizer olá estivesse se alojado em algum lugar de sua mente que ela não tivesse acesso para cancelar.
Seria culpa dela gostar de uma pessoa que ela não queria gostar?
O lugar terrivelmente abandonado cheirava á algo que fazia muito, muito tempo que não tinha contato com algo, mas afinal... realmente exista um cheiro para tal acontecimento? Ela duvidava, mas o cheiro daquele lugar não se encaixava em acontecimentos que ela conhecia então era mais fácil presumir isso.
O barulho de trovões naquele atardecer soavam altos demais mesmo para alguém com fones de ouvido que soavam mais alto ainda, parecia aquela festa de sua tia na semana passada, na verdade era quase igual, a música alta e os berros e conversas ao mesmo nível, a única coisa que diferenciava ao fechar os olhos era o cheiro. 
Ah, e claro, a chuva. A chuva! Lembrou-se que aquilo molhava, obviamente o pensamento escapou daquele lugar que ela não tinha acesso, que por acaso resolveu deixar várias coisas correrem, como por exemplo a probabilidade de encontrar aquele cara.
E mais uma vez ela foi correndo esperar em outro lugar, afinal... Como ela poderia saber o que realmente queria? Ela pensava demais, só que somente  às vezes.

Angel :D